O uso da Inteligência Artificial e outras tecnologias tem se mostrado vantajoso para os mais diferentes segmentos da economia mundo à fora. Inclusive, para os departamentos de Recursos Humanos a aplicação das tecnologias é positiva, otimizando a seleção de candidatos para oportunidades de trabalho e dando mais agilidade aos processos internos.

Apesar de ainda existir certa desconfiança sobre se essas tecnologias vão ou não substituir a mão de obra humana, são diversos os casos de companhias que já estão utilizando a Inteligência Artificial como aliada para o sucesso. A tendência é que o número de empresas adeptas aumente nos próximos anos e a ideia é unir essas tecnologias com os insights humanos, gerando ainda mais valor para as companhias.

É um caminho sem volta e há muitos bons exemplos de como, quando bem usada, a Inteligência Artificial se torna estratégica. Para discutir o tema, a LEVEE convidou o engenheiro Vitor Falleiros, especialista em Ciência de Dados, para comandar o webinar “Aplicações reais de Inteligência Artificial nas Empresas”. O evento aconteceu no último dia 23, e deixou claro como a tecnologia pode auxiliar tanto as equipes internas das corporações, quanto o usuário final.

“Quando falamos de Inteligência Artificial, falamos de um campo muito vasto, por isso precisamos olhar para soluções específicas para cada caso, já que não existe uma técnica que funcione para tudo”, explica.

Para ele, é importante manter o sistema Human-in-the-loop, ou seja, manter o humano no sistema, para controlar riscos, principalmente, para modelos que podem afetar diretamente a vida das pessoas ou que podem ser mais aparentes para o usuário final da empresa.

DESAFIOS

De acordo com Falleiros, existem muitos desafios em relação ao que é ou não Inteligência Artificial, uma vez que se trata de um campo que ainda não é bem compreendido. “Não é um campo novo, é algo da época da 2ª Guerra, que cresceu recentemente”, explica.

O consultor apresentou dados da consultora McKinsey & Company que revelam que, no mínimo, a IA pode gerar impacto de 3,5 trilhões de dólares na economia global. Por outro lado, apresentou dados da MMC Ventures que mostra que entre as startups, apenas 60% realmente utilizam a tecnologia.

APLICAÇÕES REAIS

Durante o webinar, Falleiros apresentou aplicações reais da IA em várias empresas de diversos segmentos. Um dos exemplos utilizados foi o de uma gestora de investimentos, considerada uma das TOP 10 global em volume de ativos, que utilizou a metodologia XGBoost de machine learning, para otimizar o trabalho de conferência de dados que, antes, acontecia manualmente.

Com a tecnologia, hoje, o operador registra dados manualmente, o modelo recomenda aprovação dos dados ou revisão, e o revisor aprova ou retorna para o operador corrigir, com comentários. “Os resultados foram bem impressionantes: eles conseguiram dobrar a taxa de captura de erros sem aumentar o volume de documentos revisados. Houve uma redução de 30% no volume de documentos revisados”, conta.

RECURSOS HUMANOS

Outro exemplo apresentado pelo consultor foi o do DBS Bank, maior banco de Singapura, que tinha como desafio acelerar e otimizar o processo de recrutamento. “Para vagas de entrada, o banco estava recebendo 30 mil candidatos por ano e a revisão inicial humana leva 30 minutos por currículo”, explica.

Para dar mais agilidade ao processo, o banco adotou a metodologia de processamento de linguagem natural – campo que está se tornando bastante vasto dentro de Inteligência Artificial. Atualmente, a empresa conta com o apoio de chatbot, responsável pela primeira interação com o candidato. O recrutador prepara o chatbot para a vaga e recebe resultado dos testes aplicados, decidindo pela aprovação ou não do candidato.

Os resultados são positivos: o tempo do recrutador foi reduzido de 30 para 8 minutos por candidato; a taxa de contratação melhorou de 1/7 para 1/3 dos aprovados na primeira etapa; a taxa de abandono do processo foi reduzida de 15% para 3%; e o chatbot consegue responder 96% das questões dos candidatos.

SOLUÇÕES LEVEE

Como pioneira no uso de IA para o RH, a LEVEE traz mais um produto, o Data Science as a Service – uma proposta de melhoria de funil de contratação e KPI’s. “A LEVEE loca um time extremamente qualificado, envolve cientistas de dados, engenheiros de dados e arquiteto de sistemas, monta toda a infraestrutura cloud da operação e começa, a partir do compartilhamento de informações, a buscar oportunidades de otimização”, explica Marcelo Carota, VP de produtos.

De acordo com Carota, em até 15 dias é possível desenvolver uma prova de conceito. “Os objetivos são, entre outros, identificar perfis mais produtivos ou ajudar a empresa a predizer o número de contratações, baseado na análise de absenteísmo e turnover da operação. A LEVEE oferece soluções completas para transformar os objetivos práticos em resultados”, finaliza.

VITOR FALLEIROS

Vitor Falleiros é especialista em Ciência de Dados, formado pela Universidade de São Paulo (USP). Mestre em Engenharia, atua há mais de 12 anos usa dados para resolver problemas em empresas de diversos tamanhos, indústrias e países. Hoje atua como consultor em IA no Canadá, centro mundial do setor.

Para assistir o webinar completo CLIQUE AQUI.

Leave a Reply