Investir na diversidade significa investir no enriquecimento cultural e na marca empregadora da organização, mas também representa uma mudança de mentalidade no ambiente de trabalho para conscientizar os colaboradores e engajá-los.

O mundo corporativo está descobrindo que ter estratégias que visam a diversidade são lucrativas, além de diferenciá-las em aspectos como inovação, motivação e liderança.

Uma pesquisa da consultoria McKinsey & Company revelou, por exemplo, que as empresas com equipes executivas de maior diversidade étnica (não apenas em termos de representação absoluta, mas também de variedade ou mistura de etnias) têm probabilidade 33% maior de superar outras empresas na lucratividade.

O relatório “A diversidade como alavanca de performance” avaliou mais de mil companhias em 12 países e mostrou que empresas que apostam na diversidade de gênero entre seus executivos estão 21% mais propensas a ter lucratividade acima da média.

As empresas brasileiras – ou com sede no Brasil – que começaram a implantar a cultura da diversidade nas suas organizações já perceberam os resultados dessa prática, notando melhora do clima organizacional, e por consequência gerando mais motivação nas equipes, redução de conflitos e maior produtividade e inovação.

Processos baseados em Machine Learning eliminam vieses inconscientes e contribuem para aumentar a diversidade e lucros nas empresas.

Além de acelerar a seleção, aprimorar a eficácia dos processos de recrutamento e economizar dinheiro em larga escala, sistemas que utilizam Inteligência Artificial no recrutamento minimizam os vieses envolvidos nas contratações.

Por mais apurado que seja o controle interno e menor que seja o nível de preconceito do recrutador, é inevitável o envolvimento do fator humano na hora de tomar decisões. Isentos de julgamentos e imunes a estereótipos, algoritmos alimentados por Inteligência Artificial são projetados para se basear estritamente em dados objetivos e ajudar os empregadores a identificar e remover suas avaliações tendenciosas.

Essas ferramentas tecnológicas impedem que este tipo de julgamento prévio aconteça, inviabilizando que candidatos sejam recusados por quaisquer características que não as habilidades necessárias para exercer aquela função em específico. Como consequência direta, a empresa pode contribuir para a diminuição das desigualdades sociais.

Focada nos profissionais na base operacional, a plataforma baseada em machine learning da LEVEE, ajuda a neutralizar fases sensíveis do processo de contratação, reduzindo vieses envolvidos. Os resultados são surpreendentes. Hoje, mais de 80% das vagas nos nossos clientes são preenchidas por mulheres, e uma grande parte delas com filhos, um dos grupos mais vulneráveis do mercado de trabalho, e que as empresas comumente apresentam resistência em contratar.

“Poder contribuir para mudar essa estatística nos motiva muito. Sabemos da importância da mulher para o mercado de trabalho e acreditamos que a independência financeira traz estabilidade, desenvolvimento pessoal e profissional na vida dessas mulheres. Nossa visão é que as empresas precisam, cada vez mais, se conscientizar da responsabilidade que têm com a integração social, diversidade, pluralidade, e também no combate à violência contra a mulher no âmbito corporativo.”

Comenta a VP Growth, Ivana Mozetic

 

Desde 2018 a LEVEE apoia e patrocina o Projeto Rota VCM – Iniciativa que visa aumentar a conscientização das empresas em relação ao tema “Violência e Assédio contra a Mulher no Mundo Corporativo”. Clique aqui para conhecer

 

Veja também: https://levee.com.br/a-mulher-no-brasil-e-a-mulher-na-levee/

Leave a Reply